Sintomas, causas e como lidar

CÓLICAS, SANGRAMENTOS, DOR NAS COSTAS, NÁUSEAS, CONSTIPAÇÃO, HEMORRÓIDAS, ESTRIAS

Durante a gestação ocorrem diversas modificações no organismo materno, às custas dos hormônios gestacionais, aumento do volume uterino e da pressão intra-abdominal e compressão dos outros órgãos. Confira abaixo e entenda o que está acontecendo no seu corpo, e porque alguns sintomas são considerados normais. Mas lembre-se que cada gestação é única e cada organismo vai se comportar de forma peculiar.


CÓLICAS E SANGRAMENTO

O útero é o órgão que mais se altera neste período, pelo seu constante crescimento e estiramento dos ligamentos uterinos são muito frequentes as cólicas, que geralmente cedem com antiespasmódico prescrito na primeira consulta. Outro sintoma que traz bastante preocupação às gestantes é o sangramento vaginal de pequena intensidade que pode ocorrer após a relação sexual pelo contato com o colo do útero edemaciado, hipertrófico e vascularizado. Na presença de cólicas, é recomendável evitar a ingesta de café e canela. Em caso de sangramento volumoso ou persistente, recomenda-se avaliação médica em consulta ou emergência obstétrica.

NÁUSEAS, CONSTIPAÇÃO E HEMORRÓIDAS

constipação intestinal crônica e hemorróidas são comuns ao longo de toda gestação pela lentificação dos movimentos intestinais, para contornar esse quadro deve aumentar a ingesta hídrica e alimentação saudável rica em fibras (vegetais, alimentos integrais e frutas secas). As náuseas, vômitos, azia, refluxo e dor de estômago também são bastante frequentes. Algumas medidas são importantes para controle desses sintomas, como a alimentação em pequenas quantidades a cada 3 horas, comer devagar, evitar líquido nas refeições e deitar logo após se alimentar, evitar alimentos fritos, condimentados, café, chá preto e mate; dar preferência aos alimentos frios e adicionar à dieta gengibre e limão. Sistema respiratório: rinite, congestão nasal e sangramentos pela mucosa nasal edemaciada, respiração mais rápida e curta, sensação de falta de ar em 60 a 70% das gestantes. É recomendada a lavagem diária das narinas com soro fisiológicos 0,9%, não utilizar soluções nasais com medicação sem prescrição médica.

ESTRIAS, MANCHAS NA PELE E CABELOS LINDOS

A pele da gestante também muda, com escurecimento da vulva, axilas, aréolas, melasma gravídico (na face) e linha nigra (na barriga). Depois da gestação, a coloração da pele volta ao normal gradualmente, os clareadores são proibidos na gestação e por todo período de amamentação. Não se esqueça de usar sempre protetor solar, da marca que já está acostumada, para evitar manchas, principalmente no rosto. Outra alteração muito frequente são as indesejáveis estrias, pelo estiramento rápido da pele da barriga e das mamas. Para evitar, deve-se controlar o ganho de peso, mantendo na faixa adequada e utilizar diariamente, óleos 100% naturais como o de uva ou de amêndoa doce (ler o rótulo para verificar se não há mistura com outros óleos) e cremes principalmente na barriga e quadril. Uma boa notícia, na gestação os cabelos ficam lindos e sedosos, há diminuição da queda de cabelo e crescimento mais rápido dos fios.


DOR NAS COSTAS

Na gestação ocorre uma mudança do eixo de gravidade e relaxamento ligamentar na bacia, podendo causar dor nas costas, lordose e a marcha anserina (semelhante a um “pato”). Para prevenção, é importante um acompanhamento fisioterápico durante todo período gestacional e realização de atividades físicas, como a hidroginástica, pilates e yoga.


XIXI TODA HORA

O aumento da frequência urinária é muito comum na gestação, pelo aumento do peso do útero encima da bexiga e brinco que a bexiga da mamãe é o primeiro brinquedinho do bebê rs. Há também maior propensão a formação de cálculos renais e infecções urinárias, por isso é fundamental a ingesta hídrica adequada e caso comece a arder para urinar fale com seu obstetra. A secreção vaginal fisiológica (sem coceira e sem cheiro) também aumenta de volume, podendo sair na calcinha e ser confundida com corrimento.Na dúvida peça para seu obstetra fazer o exame de microscopia a fresco ideal para detectar o agente corretamente.

DIABETES GESTACIONAL E HIPOTIREOIDISMO

As alterações hormonais da gestante predispõe o desenvolvimento de hipotireoidismo e diabetes durante o período gestacional, após o parto, geralmente volta ao normal. Por isso uma alimentação adequada é fundamental para uma gestação longe de doenças. O ideal é o acompanhamento nutricional de todas as gestantes por um nutricionista ou nutrólogo (médico) especialista em gestantes.


AVERSÃO A CHEIROS E COMIDAS

O olfato e paladar ficam mais aguçados, por isso muitas gestantes tem aversões de alguns alimentos e cheiros neste período. Podendo acarretar náuseas, vômitos e salivação excessiva.

CHORO FÁCIL

A grávida pode ter aumento da sensibilidade e alterações do humor pela prevalência do sistema nervoso parassimpático. Uma gestação harmoniosa é fundamental para formação do novo ser humano, estabelecimento forte do vínculo materno-fetal e ter uma gestação saudável. Mente sã, corpo são! Existem várias técnicas para ajudar a chegar no ponto de equilíbrio do nosso organismo, controle da ansiedade e inseguranças tão frequentes nesse período da vida; como a acupuntura, a terapia craniossacral, o reiki, a meditação e a psicoterapia.


MAMAS PRONTAS PARA AMAMENTAR

Há aumento do volume das mamas, aumento do tamanho dos mamilos e aréolas, surgimento dos tubérculos de Montgomery (elevações no mamilo, semelhante a pequenos caroços). Todas essas alterações são responsáveis por preparar as mamas para o aleitamento e regridem espontaneamente após a gestação. Não está recomendado o uso de buchas ou cremes à base de gordura animal (“banha de porco”) durante o período gestacional ou no aleitamento, podendo acarretar escoriações e até infecções.


SANGRAMENTO GENGIVAL

Os dentes da gestante podem ficar sensíveis, com congestão vascular que pode causar sangramento gengival e gengivite. Procure um dentista especialista em gestantes para a realização do pré-natal odontológico para manter a saúde bucal em dia.

Pode ou Não pode?

EXERCÍCIOS? VIAGENS? SEXO? VINHO? JAPONÊS? ADOÇANTES? REPELENTES? CHÁS? VACINAS?

COMER CARNE? GATOS? JARDINAGEM?

A toxoplasmose pode causar graves complicações no feto de gestantes não imunes. Seu obstetra te informará se você é imune por meio de contato prévio ou se será necessário tomar os seguintes cuidados.

- Não ingerir carne de boi ou porco crua ou malpassada. Congelar as carnes por pelo menos 3 dias antes de consumi-las. Não use a mesma tábua ou faca para cortar carnes e verduras. 

- Higienizar frutas e verduras antes de consumir. Prefira levar sua salada de casa para comer na rua ou trabalho. Idealmente, a seleção de alimentos crus e higienização deve ser feita com luvas.

- O contato com a terra (ex. jardinagem) deve ser feito com luvas.

- Evitar contato com gatos desconhecidos, caso tenha gato de estimação, pode manter o contato com ele com alguns cuidados.

COMIDA JAPONESA?

O risco de transmissão de doenças pelo peixe cru, se dá pela contaminação do peixe pelas mãos do sushiman, dos itens utilizados no preparo da comida ou conservação inadequada. Não consumir comida japonesa em restaurantes a quilo ou com controle de qualidade duvidoso.

ÁLCOOL?

A ingestão de qualquer dose de álcool não deve ocorrer durante toda a gestação, pelo risco de graves complicações fetais.

RELAÇÃO SEXUAL?

A relação sexual, em geral, está liberada ao longo da gestação. Em alguns casos específicos, seu obstetra irá recomendar a abstinência. A libido é muito variável entre as gestantes, então siga seu coração e seus desejos.

EXERCÍCIOS?

A gestante pode manter as atividades físicas habituais. Em caso de sedentarismo, deve iniciar atividades físicas leves 3x/semana, após 12 semanas de gestação. Estão recomendados preferencialmente: pilates, yoga, alongamento, caminhada, natação e hidroginástica.


VACINAS?

  • Vacina dTpa (difteria, tétano e coqueluche): 1 dose, a partir da 20ª semana e para todos os cuidadores da criança.

  • Vacina dT (difteria e tétano): 2 doses, a partir da 20ª semana, para gestantes nunca vacinadas contra o tétano.

  • Hepatite B: 3 doses a partir de 20ª semana (para gestantes não vacinadas).

  • Gripe: 1 dose, durante o período de campanha.

  • Febre Amarela: proibida na gestação.

VITAMINA D?

A quantidade diária necessária de vitamina D é facilmente atingida pela alimentação, mas a sua absorção é facilitada pela exposição solar por 15 minutos ao dia, com protetor solar somente no rosto. Evitar banho com sabonete na primeira hora após exposição ao sol, pois a vitamida D é lipossolúvel e sua metabolização ocorre na pele.

ADOÇANTES?

Os adoçantes mais seguros são stevia, xylitol e sucralose.

REPELENTES?

Todos os repelentes disponíveis no mercado podem ser usados por gestantes, variando somente o tempo de reaplicação. Repelentes à base de icaridina (Exposis) tem maior período de proteção de 6 a 10 horas, os demais em torno de 4 a 8 horas. Vale lembrar que o mosquito da Dengue, Zika, Febre Amarela têm hábitos diurnos, então o uso do repelente deve priorizar esse período. O uso de roupas com mangas compridas e calças também é recomendado, o repelente deve ser aplicado após se vestir, por cima da roupa.

VIAGENS?

As viagens de avião, em geral, estão liberadas até 32 semanas. O vôo é um fator de risco para trombose, portanto, obrigatoriamente, deve-se usar a meia elástica e se movimentar durante o vôo a cada 3 horas. Sempre que estiver em outra cidade, perto ou longe do domicílio, deve-se avaliar o acesso a maternidade no local de destino em casos de intercorrências, desde cólicas, sangramentos e até parto prematuro.

CHÁS

Alguns chás devem ser evitados na gestação:

  • Boldo: aumenta as contrações uterinas.

  • Hibisco e Canela: aumenta chance de abortamento.

  • Hortelã: diminui produção de leite.

  • Preto, mate, branco e verde: contém cafeína.

  • Outros: chás de cascara sagrada, romã, guaco, cavalinha, sene e arnica.

Alimentação

NUTRIENTES (NECESSIDADE DIÁRIA) E FONTE ALIMENTAR /ORIENTAÇÕES ALIMENTARES

Quem não conhece alguma grávida que junto com o diagnósico de gestação ganha uma prescrição de Polivitamínicos? A gestação é o momento da vida que temos a real percepção de como a natureza é perfeita e mágica. Mas peraí, um ser humano consegue gerar outro ser humano, parir e alimentar a cria mas a mãe terra não é perfeita o suficiente para oferecer os melhores alimentos para nutrir a gestante sem precisar de polivitamínicos ou suplementos alimentares? Será que algo industrializado é melhor que o natural? O uso de polivitamínicos não é recomendado em gestantes com alimentação saudável e adequada. Existem cuidados de combinações de alguns alimentos e os polivitamínicos ofertam os micronutrientes todos juntos que podem atrapalhar a absorção, como ferro e cálcio (o cálcio diminui a absorção de ferro); ferro e zinco (o ferro quando reposto sem necessidade sequestra o zinco que estabiliza os radicais livres). Portanto a reposição de vitaminas deve ser feita de forma natural através dos alimentos e em casos isolados, a reposição de algum micronutriente específico será prescrito pelo obstetra após avaliação junto ao nutricionista especializado em gestantes.

Abaixo, os principais nutrientes, necessidade diária, como obtê-los através da comida de verdade e os benefícios para o bebê. Por exemplo, para que tomar vitamina C se 2 limões já supre o que o organismo precisa? Isso é uma orientação geral e o acompanhamento com o nutricionista ou nutrólogo é fundamental durante o período pré-concepcional, gestacional e puerperal.

ÔMEGA 3 (200mg DHA)

  • Duas ou três vezes na semana: Salmão, sardinha, atum, bacalhau, cavala, linguado, esturjão, anchova e arenque.

Desenvolvimento neurológico e visual, reduz a incidência de parto prematuro, diminuição do risco de depressão pós-parto.


FERRO (27 mg)

  • 300mg fígado ou coração de frango ou 400 mg carne + 50 mg cereais e 50 mg feijão e 50 mg beterraba e 50 mg verduras e 30 mg oleoginosas

Auxilia na produção de glóbulos vermelhos, que transporta oxigênio às células para energia e crescimento,

Evitar a ingesta de cálcio e zinco junto ao ferro, pois prejudica sua absorção. Já as frutas cítricas ajudam na absorção do ferro.


CÁLCIO (1.000 mg)

  • 100g Queijo amarelo ou 400mg Queijo branco ou 200mg Peixe (sardinha em conserva, Lambari, Manjuba, pescada) ou 4 Iogurte ou leite ou 100mg Camarão ou 120 mg Gergelim

Auxilia na formação de ossos e dentes, contração muscular, produção de leite, diminui o risco de hipertensão e de pré-eclâmpsia na gestação.


ZINCO (11 mg)

  • 1 filé grande de carne ou porco ou peixe 300mg Frango ou 200mg Caranguejo ou meia Ostra ou 300 mg Aveia flocos ou

350 mg Farinha trigo integral

Imunidade.

Maturação sexual, desenvolvimento do paladar e do processo digestório.

VITAMINA A (2.500U)

  • 1/2 xic Batata doce ou Abóbora, 3/4 xic Cenoura ou Couve ou Espinafre

Crescimento embrionário, formação dos olhos, pele e mucosas, ação antioxidante.


VITAMINA C (85 mg)

  •  1/3 acerola ou 1/3 caju ou

1/3  goiaba ou 1/3  Pimentão ou 1 kiwi ou 1 fatia mamão ou
4 folhas couve ou 7 morangos ou 1 1/2 laranja ou 2 limões 

Facilita a absorção de ferro, ajudam na cicatrização de tecidos, ação antioxidante.


IODO (250 mcg)

  • 2g sal (sal rosa do Himalaia e flor de sal não tem adição de iodo) ou 130g bacalhau

Componente dos hormônios tireoidianos, desenvolvimento cerebral do bebê.

ORIENTAÇÕES ALIMENTARES

  •  Realizar de 5 a 6 refeições por dia (desjejum, colação, almoço, lanche, jantar e ceia) com intervalos de tempo regulares (3/3h). Consumir 3 a 4 porções legumes e verduras e 5 porções de frutas por dia .


  • Evitar: substituir grandes refeições (almoço e jantar) por lanches ou pular as mesmas; beliscar, principalmente entre as refeições; jejum prolongado e intervalos grandes entre as refeições para prevenir hipoglicemia e a hipotensão.


  • Beber bastante água (8 copos/dia), evitando a ingestão de líquido durante as refeições.


  • Manter uma dieta equilibrada e evitar comidas industrializadas e ultra-processadas, como bebidas adicionadas de açúcar (refrigerantes, sucos industrializados), temperos e molhos prontos (caldo de carne/galinha, molho Shoyu, macarrão instantâneo), congelados, enlatados e embutidos (salsicha, peito de peru, salame, linguiça, presunto); frituras e alimentos muito gordurosos (maionese, creme de leite, biscoitos recheados, sorvete, tortas, etc); alimentos ricos em açúcar refinado (chocolate, doces, bolos, refrigerantes, balas, guloseimas).


  • Prefirir "comida de verdade" com temperos naturais (limão, ervas, alho, cebola, alecrim, orégano, manjericão, salsa, cebolinha, etc); cereais integrais (arroz, pão, macarrão, farinha de aveia, etc.).


  • Preferir carnes magras (patinho, coxão mole, músculo, chã, acém, peixes e frango sem pele) assados, grelhados, ensopados ou cozidos, evitando sempre frituras e empanados; queijos brancos (ricota, cottage, minas) e laticínios desnatados (requeijão, leite, etc.).


  • Diminuir o consumo de sal nas refeições (5g sal/dia ou 1 colher chá/dia), retirar o saleiro da mesa durante as refeições;


  • Produtos diet e light são contra-indicados na gestação, pelos adoçantes utilizados, que em geral não são liberados na gestação (ciclamato, sacarose, etc).


  • Restringir bebidas cafeinadas a no máximo 2-3 por dia (café, mate).


  • Essas orientações não substituem o acompanhamento com nutricionista ou nutrólogo.

Pré-Natal Humanizado

Meses x Semanas

MÊS X SEMANAS X TAMANHO DO BEBÊ

1 mês - 2 a 6 semanas - Semente de Chia

2 mês - 7 a 10 semanas - Mirtilo

3 mês - 11 a 14 semanas - Figo

4 mês - 15 a 18 semanas - Maça

5 mês - 19 a 23 semanas - Tomate

6 mês - 24 a 28 semanas - Batata

7 mês - 29 a 33 semanas - Coco

8 mês - 34 a 37 semanas - Melão pequeno

9 mês - 38 a 42 semanas -Melancia pequena


O bebê é considerado a termo entre 37 e 42 semanas. A data provável do parto é calculada com base nas 40 semanas. A maior probabilidade de nascimento é entre 39 e 41 semanas. A contagem da idade gestacional pela equipe de saúde é feita por semanas, sendo mais precisa para avaliação das alterações gestacionais, indicações de exames e rotina pré-natal. Esta tabela é uma estimativa dos meses de gestação, já que o mês tem um pouco mais de 4 semanas.

Ganho de Peso

IMC ANTES DA GESTAÇÃO / GANHO DE PESO TOTAL (KG) / GANHO SEMANAL (KG)

BAIXO PESO / IMC <18,5 / 12,5 – 18 kg / 0,5 kg por semana

NORMAL / IMC 18,5 a 24,9 / 11 – 16 kg / 0,4 kg por semana

SOBREPESO / IMC 25 a 29,9 / 7 – 11,5 kg / 0,3 kg por semana

OBESO / IMC >30 / 5 - 9 kg / 0,2 kg por semana


O ganho de peso na gestação se deve aos seguintes fatores: feto 3 a 3,6 kg, líquido amniótico 0,9 kg, placenta 0,7 kg, retenção de líquidos 0,9 a 1,4 kg, aumento do peso dos tecidos (útero 0,9 kg, mamas 0,45 a 1,4 kg, reservas de gordura do corpo 2,7 a 3,6 kg, volume de sangue circulante no organismo 1,4 a 1,8 kg).

A alimentação equilibrada é fundamental para uma gestação saudável. A gestante não deve “comer por dois”, o aumento calórico deve ser somente de 200 a 300 kcal por dia. No primeiro trimestre o ganho de peso esperado é menor, de 0,5 a 2kg.

O excesso de ganho de peso gestacional aumenta o risco de hipertensão gestacional, pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, obesidade infantil, diabetes e hipertensão nas crianças.

Conversaremos mais sobre alimentação e reposição de nutrientes através dos alimentos na próxima consulta.

Doutor que ajusta o equilíbrio na balanç

Aromaterapia

PODER DOS ÓLEOS ESSENCIAIS

A aromaterapia é um ramo da fitoterapia, praticada há milhares de anos para cura através dos aromas 100% naturais, extraídos de flores, raízes, folhas, sementes, ervas, madeiras e resinas, e transformados em óleos essenciais.

No primeiro trimestre, o uso dos óleos essenciais deve ser utilizado em difusor, e recomenda-se evitar passar no corpo.

Alguns óleos essenciais não são recomendados na gestação: canela, alecrim, erva-doce.


  • Para gripes e resfriados: Limão e tea tree em difusor.


  • Para náuseas: Cardamomo, gengibre em difusor.


  • Para excesso de sensibilidade e choro sem motivo: Camomila e lavanda.


  • Para amenizar o medo (do parto, da formação do bebê, de ficar feia, gorda, de perder a atenção do parceiro):

Dilua em 15ml de óleo de semente de uva ou amêndoas doces: 1 gota de pau-rosa, 2 gotas de lavanda e 1 gota de ylang-ylang. Massagear o corpo.


  • Para ansiedade, nervosismo e insônia:

Dilua em 15ml de óleo de semente de uva ou amêndoas doces: 3 gotas de lavanda e 1 gota de gerândio. Massagear as têmporas e nuca.


  • Para conforto emocional (se ora está triste, ora sensível e irritada):

Dilua em 15ml de óleo de semente de uva ou amêndoas doces: 1 gota de olíbano,  1 gota de camomila e 1 gota de petitgrain ou laranja doce. Massagear o contorno do abdome e raiz dos cabelos, com movimentos circulares.


  • Para pródromos de trabalho de parto: Sálvia


  • Para parto: Ylang-Ylang, Jasmin.


Dica: Antes de começar a massagem, aplique um pouco na palma da mão e inale profundamente.

ACUPUNTURA, MAGNETOTERAPIA, CRANIOSACRAL, REIKE

Terapias Integrativas

  • ACUPUNTURA e MAGNETOTERAPIA

A acupuntura e a Magnetoterapia são terapias milenares originárias da China, que consistem na aplicação de agulhas (acupuntura) ou imãs (magnetoterapia) em pontos específicos do corpo para tratar doenças e para promover saúde.

Benefícios durante a gravidez: minimizar incômodos de cada fase da gravidez: náuseas, refluxo, azia, dores nas costas, enxaquecas, cansaço, edemas, ansiedade, dor de ciático; correção da apresentação pélvica ou transversal; auxilia no controle de doenças como: hipertensão, diabetes gestacional, obesidade e tabagismo.

Benefícios no trabalho de parto: indução de trabalho de parto; analgesia e relaxamento; regulação de contrações e dilatação; auxilia no controle de hemorragias e retenção da placenta.

Benefícios no Pós-Parto: “Golden Month”: amamentação e depressão pós-parto.



  • TERAPIA CRANIOSACRAL

A terapia craniosacral (TCS) é realizada através do toque bem delicado, na cabeça, costas e tornozelos, assim, a terapeuta escuta profundamente as flutuações do líquor cérebro-espinhal dentro do sistema craniosacral, para que o corpo possa mostrar as questões não resolvidas e a terapeuta facilitar a resolução. Na TCS o processo de cura vem de dentro do paciente e não de fora, pela terapeuta, ela somente auxilia o nosso organismo na sua capacidade natural de autorregeneração. A TCS pode ser usada para tratar a dor física (como a dor nas costas), doenças agudas ou crônicas (como o controle da pressão arterial), distúrbios emocionais (como a ansiedade, insônia), ou apenas para promover o bem-estar físico, saúde e vitalidade.


  • REIKE

As pessoas canalizam a energia do universo através do chackra coronário e no Reiki, através da imposição das mãos a irradiamos, restaurando o equilíbrio de corpo, mente e espírito. O Reiki é uma técnica vibracional que auxilia a maternidade, cuja finalidade é harmonizar mãe e bebê proporcionando paz interior além de potencializar ligação de amor entre ambos. O Reiki vem como recurso neste período sensível, divino e pleno da mulher. Reiki ajuda a equilibrar as mudanças físicas e emocionais que ocorrem durante o período de gestação. 

Sugestões de Leitura e Vídeos

A gestação e os primeiros 1000 dias do bebê demandam uma busca de informação de qualidade sobre uma gama de informações, desde as modificações no organismo materno, o que a grávida pode ou não pode fazer, parto, enxoval, primeiros cuidados com o recém-nascido, criação e desenvolvimento do bebê, introdução alimentar, entre outros inúmeros assuntos. Abordaremos nos manuais que serão dados ao longo do pré-natal os principais temas de todas essas as fases, mas estimulamos o aprofundamento do conhecimento através de livros, internet, filmes e grupos de gestantes. Sugerimos algumas fontes, mas sempre devem ser visto com olhar crítico e trazer as dúvidas para a consulta para esclarecermos os assuntos necessários. Cada mulher é diferente da outra, cada gestação é uma gestação e cada família tem demandas específicas; nós, do Grupo Lótus prezamos pela individualização de cada um e atendimento personalizado que será feito ao longo do pré-natal. Este manual é um guia para orientar por onde a família pode começar o processo de empoderamento, pois a escolha somente é possível através da informação.


Livros:

  • O renascimento do parto. Michel Odent.

  • A cientificação do parto. Michel Odent.

  • Nascer sorrindo. Frédérick Leboyer.

  • Parto normal ou cesárea? Simone Grilo Diniz.


Sites:

  • brasil.babycenter.com

  • revistacrescer.globo.com

  • e-familynet.com

  • guiadobebe.uol.com.br

  • revistamamaebebe.com.br


Documentários:

  • O renascimento do parto. Michel Odent.

  • O mundo secreto dos bebês.

  • Bebês.

  • O começo da vida


Vídeos (Youtube):


Filmes para descontrair...

  • O que esperar quando se está esperando.

  • Nove meses

  • Junior

  • Ela vai ter um bebê

  • Ligeiramente grávidos

  • Filhos da esperança

  • Juno

  • O pequeno Nicolau

  • Ligeiramente grávidos

  • Minhas mães e meu pai

  • Plano B

  • Presente de grego

  • A vida acontece

  • Distante nós vamos

O Parto

"PARA MUDAR O MUNDO É PRECISO MUDAR A FORMA DE NASCER."

                                                                                  MICHEL ODENT

PASSO A PASSO DO PARTO

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO PARTO NORMAL

CESARIANA

FILOSOFIA DO GRUPO LÓTUS

Nós, do Grupo Lótus, preconizamos a assistência humanizada durante o pré-natal, parto e pós-parto, a constante informação e empoderamento da mulher, para que ela possua o conhecimento para avaliar riscos e benefícios para decisão participativa junto à equipe, das condutas mais adequadas, apoio e acolhimento em suas escolhas e até mesmo mudança da forma de pensar.  Vemos a gestante como a protagonista desse momento. Nosso papel é acolher a gestante, manter o ambiente do parto harmonioso e garantir a segurança do binômio mãe-bebê. O parto é um processo fisiológico normal e trabalhamos para que transcorra dessa forma, auxiliando a gestante nesse processo de entrega a esse momento e desligamento do seu neocórtex, parte do cérebro responsável pelo raciocínio. Para isso, nos pautamos nos princípios da privacidade, evitando que a gestante se sinta observada, baixa luminosidade, música ambiente relaxante, pouco barulho e incentivo à liberdade de movimentos da mulher.
Não seguimos a linha do parto normal convencional, onde são realizados diversas intervenções médicas já programada antes do parto, como episiotomia, ocitocina e Kristeller na maioria das gestantes. Nós seguimos a linha do Parto Humanizado, onde caso haja necessidade de alguma intervenção médica para que o nascimento ocorra em segurança, isso será conversado e não imposto. Algumas intervenções podem ocorrer na existência de sofrimento fetal ou em situações que podem propiciar o sofrimento fetal, colaborando para um desfecho favorável do parto normal.

PASSO-A-PASSO DO PARTO

Algumas mulheres ainda querem ter um parto surpreendente como nos filmes: a mãe coloca as mãos na barriga enquanto a bolsa estoura na cozinha. Aflito, o pai vai em direção ao carro para uma corrida frenética até o hospital. A duração do trabalho de parto é muito variável. Enquanto algumas mulheres dão à luz em pouquíssimas horas, outras levam muito mais tempo sentindo contrações muito dolorosas, por alguma causa orgânica ou pelo não desligamento do neocórtex.
A melhor forma de desmistificar o parto é o conhecimento. Vamos contar tudo que acontece na fase de pródromos, trabalho de parto, parto e golden hour para que você saiba todas as etapas desse processo árduo porém transformador.
O pródromo de trabalho de parto é o período em que ocorrem as contrações de treinamento, geralmente são dolorosas, mas não mantém padrão regular e são de curta duração. Esse período pode durar poucas horas até semanas. É muito comum as gestantes confundirem com franco trabalho de parto, acarretando em múltiplas idas à emergência ou avaliações domiciliares pelo enfermeiro obstetra ou pelo médico em consultório.
Essas contrações de treinamento tendem a se regularizar e aumentar a frequência, esses são os primeiros indicativos do início do trabalho de parto. Após algumas horas nesse padrão contrátil, o colo se modificará, ficando mais fino e dilatado. O diagnóstico do início do trabalho de parto ocorre com 4cm de dilatação em primíparas e na presença de 2 contrações em 10 minutos com duração de 40 a 60 segundos. Após esse momento, pode-se falar que a paciente está em trabalho de parto, e a partir de então, o mesmo dura em média 12 horas. Nessa fase inicial, em que a parturiente pode ficar com o mesmo exame físico por horas, é chamada de fase latente do trabalho de parto e pode ser bastante cansativo para a gestante. Nesse período, é muito comum o pedido de cesariana pela gestante, até pelas mais convictas do desejo do parto normal, e, se de antemão a gestante e o acompanhante sabem disso, quando chegar nesse momento eles respiram fundo, sabem que essa sensação passageira de impotência é normal e se fortalecem para seguirem juntos o restante da batalha. O profissional responsável pelo acompanhamento domiciliar terá papel fundamental neste momento. Além do apoio psicológico, auxiliará no alívio não farmacológico da dor com diversas técnicas. Este acompanhamento domiciliar é de suma importância para garantir a boa evolução do parto no ambiente de costume da gestante, onde ela se sente mais acolhida. Este profissional escolhido ao longo do pré-natal, fica em constante contato com o obstetra e orientará a hora de ir à maternidade.
Após cerca de 6cm de dilatação, as contrações diminuem em intervalo, aumentam em intensidade e duração e a partir de então, em média, ocorre a dilatação de 1cm por hora, mas isso é extremamente variável. Essa fase de dilatação pode ser acompanhado ou não de dor extrema nas costas, sensação que a bacia está se abrindo, peso na vagina, náuseas, vômitos e descontrole psicológico da gestante e, muito frequentemente, do acompanhante, principalmente se ele for o pai da criança. Nesse período começa a ser possível a administração de analgesia caso a paciente escolha por isso, sabendo dos riscos do procedimento. Porém a dor é subjetiva, sobrepõe a dor física, e pode se mesclar com os sentimentos conflitantes mais íntimos que podem vir à tona nesse momento. Por isso, é importante se preparar psicologicamente para a dor do parto. A maioria das mulheres não consegue mensurar a intensidade da dor e se espanta quando passa por esse processo. A forma de encarar a dor é definidora para o sucesso no parto. Primeiramente perceber que a dor não é sofrimento, pois culminará no momento mais feliz e inesquecível da vida. Também que a dor é fundamental pois é a única forma de se voltar para si mesma, se isolar do mundo externo e prestar atenção no que está acontecendo com o seu corpo e permitir que ele fale por si só. A dor está presente em todo ritual de passagem e transformação de diversas culturas, e este momento é a maior transformação que um ser humano pode passar que é se tornar mãe, trazer ao mundo uma nova vida.
Essa fase é quando idealmente a gestante consegue se desconectar com as interferências do meio, se desligar do raciocínio e a lógica, inativar o neocórtex e deixar seu interior se expressar livremente e permitir que o corpo haja para parir seu bebê. No momento que o corpo atinge o auge da dor, libera analgésicos/anestésicos naturais, como as endorfinas, que trazem sensação de satisfação, entrega ao parto, diminuição da dor.  A ocitocina natural é o hormônio do amor, do vínculo da mãe com o bebê, da contração uterina e ejeção do leite, liberada ao longo do trabalho de parto, essa é a famosa partolândia! Curta e embarque nessa profunda conexão com seu feminino e com seu bebê, escute seu corpo e se permita fazer o que quiser, dançar, andar, deitar, assumir posições estranhas e assimétricas, dormir profundamente entre as contrações. Quanto mais segura, empoderada e confiante que seu corpo sabe parir, mais fisiológico transcorrerá o trabalho de parto. Por outro lado, na presença de sensações negativas como o medo, ansiedade, interferências externas como anestesia;  muitas pessoas na sala de parto; entra e sai constante; fotógrafo em sala de parto que faz a paciente se sentir observada e aumenta a luminosidade do ambiente, atrapalham a fisiologia do parto e retardam o nascimento.
Então chega o período expulsivo, quando ocorre a dilatação total (10cm) e o bebê acaba sua passagem pelo canal de parto até o nascimento. Nessa fase é muito comum a sensação de queimação na vagina, como se estivesse pegando fogo mesmo, é tão comum que tem um nome, o Círculo de Fogo. Nesta fase, a gestante naturalmente sentirá vontade de fazer força pois seus músculos abdominais contraem involuntariamente aumentando a pressão intra-abdominal, chamam-se Puxos. Se possível, a gestante pode ajudar nas contrações, fazendo força, no intervalo das contrações é importante descansar para se preparar para a contração seguinte. É comum a gestante ter vontade de evacuar e isso não tem problema algum. A mulher é livre para assumir a posição que desejar e que se sentir mais confortável para parir, pode mudar de posição quando quiser. O parto é seu! Até que como em um passe de mágica, você escuta aquele chorinho delicioso do seu filho e tudo vale a pena, a dor passa como se nunca tivesse existido e ocorre a troca de olhar mais pura e singela da vida, entre você, mamãe e seu filho; o abraço mais gostoso e ainda ligados pelo cordão o bebê busca o seio para mamar e é hora de só curtir esse momento sublime.
A mãe não percebe mais nada ao seu redor, mas ainda tem mais coisas para acontecer. Esperamos o cordão parar de pulsar, para o clampeamento tardio e aguardamos a saída da placenta. Pode ser necessária a mudança de posição para avaliarmos a integridade do períneo e sutura de eventuais lacerações. O bebê fica no colo da mãe durante essa primeira hora tão determinante para a vida desse novo ser. Infelizmente nenhuma maternidade no Rio de Janeiro permite que o bebê não passe pelo berçário, para suavizar esse momento, pedimos para que o acompanhante permaneça com o bebê para a realização dos trâmites habituais, como pesar, medir, vestir o bebê, vacina, entre outros. Evitamos a incubadora, pois a troca de calor entre os corpos quando o bebê está no colo é suficiente para evitar hipotermia, e pedimos para que o recém-nascido retorne ao quarto o mais rápido possível para sua nova família!
Esse passo-a-passo do parto ocorre quando a mãe e o bebê estão em segurança, qualquer fator que ameace a vitabilidade de ambos, será conversado para definir a conduta mais adequada no momento.
Não esqueça de preencher seu plano de parto com as preferências da gestante para ter seu parto dos sonhos

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO PARTO NORMAL


VANTAGENS DO PARTO NORMAL PARA O BEBÊ

1) Maior facilidade para respirar.

Durante a formação do feto, os pulmões se desenvolvem em um ambiente cheio de líquidos e, até o nascimento, esse órgão não tem papel nas trocas gasosas. Com as contrações do parto normal e a passagem do bebê pela pelve, ocorre a retirada do excesso de líquido dentro dos pulmões. Isso acontece por conta da compressão torácica, o bebê se recupera melhor, tendo menos riscos de desenvolver problemas respiratórios como a taquipnéia transitória, complicação comum na cesariana fora do trabalho de parto.


2) Microbiota com mais defesas naturais.

Ao passar pela vagina, o bebê recebe as primeiras defesas do organismo através das bactérias maternas. Os bebês que nascem por via vaginal e que são amamentados no primeiro ano de vida apresentam uma flora intestinal mais rica em boas bactérias. Uma boa flora intestinal ajuda nas cólicas, previne diarreias e diminui o risco de obesidade no futuro. A flora intestinal do bebê nascido por cesariana é diferente, composta por bactérias que colonizam a pele.


3) Promove a amamentação.

O aleitamento materno deve ser iniciado na primeira hora após o nascimento, trazendo diversos benefícios para o bebê.


4) Vínculo mãe-bebê

A mulher vivencia uma das experiências mais profundas e plenas de sua vida e o vínculo com o bebê se consolida mais facilmente, além de que o nascimento é sentido como uma transição natural da criança, dentro do útero para os braços maternos. A ocitocina produzida ao longo de too trabalho de parto, é o hormônio do amor, que promove o vínculo afetivo com o bebê.

VANTAGENS DO PARTO NORMAL PARA A MÃE


1) Menor tempo de internação hospitalar


2) Recuperação pós-parto mais rápida

A recuperação do parto normal é praticamente imediata quando não houve laceração ou alguma intervenção ou complicação, a mãe, em geral, já tem condições de sentar, andar, tomar banho no chuveiro e ir ao banheiro. Já na cesariana, a mãe precisa de tempo para recuperar da cirurgia. A sutura da pele normalmente cicatriza ao fim de uma semana (deverá marcar a data para remoção de pontos da sutura no momento da alta hospitalar) e a incisão uterina mais ou menos 6 semanas.

3) Menor risco de infecção.

4) Menor risco de complicações devido à anestesia.

5) Consegue movimentar-se poucas horas após o parto o que aumenta a sua autonomia e capacidade para cuidar do bebê.

Estar ativa traz outros benefícios: diminui o risco de fenômenos tromboembólicos;  melhora o funcionamento intestinal; acelera a recuperação física e aumenta o bem-estar.


6) Favorece o aleitamento.

A descida do leite ocorre pelo estímulo da ocitocina, largamente secretada pelo organismo ao longo do trabalho de parto. Na cesariana sem trabalho de parto anterior, este processo ocorre tardiamente com o estímulo da sucção do bebê.


7) Involução uterina.

Nas primeiras horas após o parto, os sinais vitais maternos regularizam e os músculos uterinos começam a contrair-se; assim, o útero volta ao normal mais rapidamente (involução uterina), diminui o risco de sangramento e hipotonia uterina.

  

DESVANTAGENS DO PARTO NORMAL

No parto normal, pode haver lacerações vulvares, vaginais e até do esfíncter anal e reto, que podem trazer desconforto e dor no pós-parto; incontinência urinária temporária; distócia de ombro do bebê; retenção placentária; necessidade de conversão para cesariana.

Algumas pessoas podem ver como desvantagem do parto normal, a imprevisibilidade do dia do parto. Assim, é importante deixar pré-esquematizado o que acontecerá no dia. Por exemplo, se tiver outros filhos e entrar em trabalho de parto, quem buscará as crianças na escola ou em casa e quem ficará com elas durante a internação; se o acompanhante estiver trabalhando, quem deve estar disponível e mais próximo para ficar com a gestante até que o acompanhante definitivo chegue; as malas da maternidade e bebê conforto já estarão no carro ou tudo que levará para maternidade estará num mesmo local da casa para facilitar? As gestantes que desejam trabalhar até poucos dias antes do dia do parto para poder ficar mais tempo com o bebê na licença maternidade, com o parto normal é mais difícil essa programação, pode entrar de licença e nascer só 4 semanas depois e ter que voltar para o trabalho com bebê com 3 meses. Além de que, quando entra de licença maternidade na data do parto, alguma outra pessoa tem que ir aos trabalhos da mulher para dar entrada na licença maternidade. Essas questões são facilmente resolvidas, mas gostamos de abordar durante a gestação para que o casal já se estruture para esse momento e não descubra esses fatores surpresas na hora do nascimento.

O parto normal é um processo natural que se desencadeia sem intervenção externa e, por isso, não pode ser marcado o dia em que o bebê vai nascer. Contudo, o cálculo da data prevista para o parto, a análise da evolução do bebê ao longo da gravidez e o conhecimento dos sinais do parto, pode nos dar pistas de quando o bebê vai nascer. Se planejar com antecedência para o nascimento do seu bebê e viver em pleno esse momento único, cheio de emoção e tão especial.

CESARIANA


Consideramos final feliz, um parto que corra tudo bem, que termine mãe e bebê com plena saúde e que tenha a vontade da mulher respeitada. A cesariana, quando bem indicada, certamente salva vidas, mas há muitos e muitos casos em que é totalmente desnecessária, principalmente em situações forçadas com desculpas irrelevantes e totalmente oportunistas. Não é por acaso que o Brasil lidera o mundo em cesarianas. De acordo com dados do Ministério da Saúde, 82% dos nascimentos na rede privada são por cesariana. Segundo informações da Organização Mundial da Saúde, a cesariana é vantajosa e necessária para a saúde da mãe e do bebê em apenas 15% dos partos.

O risco de óbito é dez vezes maior para a gestante em cesarianas. Enquanto a taxa de morte em partos normais é de 0,2 para 100 mil, e em cesáreas é de 2,2 por 100 mil. Deve-se levar em conta que, em parte dessas cesáreas, a situação já era emergencial e mais arriscada. Mas o aumento do agendamento deste tipo de parto torna o índice preocupante. A cesárea é uma cirurgia e pode haver hemorragia, infecções e danos a órgãos internos da gestante.


A cesariana é um procedimento cirúrgico, dura em média 1 hora, realizado sob anestesia raquiana ou peridural. Depois disso, é feita uma sondagem vesical, antissepsia (limpeza especial) e uma incisão de muitas camadas até chegar ao bebê. Para o bebê, a cesárea programada, num momento em que não houve o início do trabalho do parto e quando nada o havia preparado para uma rápida transição para a vida fora do útero, é percebida como tendo sido arrancado violentamente de seu meio sem que ele e sua mãe tivessem manifestado um sinal biológico ou desejo.

Desvantagens da cesariana em relação ao parto normal:

  • Recuperação mais lenta; maior dor no pós-parto; maior risco de complicações; cicatriz maior; maior risco do bebê nascer prematuro; trabalho de parto mais curto; necessidade de anestesia; amamentação é mais difícil; maior risco de doenças respiratórias no bebê e de internação na UTI neonatal.

Algumas indicações reais de cesariana:

  • Gravidez de gêmeos quando o primeiro feto está pélvico ou em alguma apresentação anômala; Sofrimento fetal agudo; Macrossomia fetal; Bebê na posição transversal ou pélvico; Placenta prévia, descolamento prematuro da placenta ou prolapso de cordão; Malformações congênitas; Doenças materna graves; Realização de três cesarianas anteriores; Falha de indução.


Falsas indicações de cesariana:

  • Circular de cordão, “Não tive dilatação”, “Não tenho passagem”, Cesariana anterior.



       Situações especiais:

  • Bebê pélvico (sentado): como o diâmetro da cabeça do bebê é maior que o do corpo, há risco de graves complicações. Para tentar viabilizar o parto normal nesses casos, nós do Grupo Lótus, oferecemos exercícios ou versão cefálica externa, realizado em ambiente hospitalar, onde vira o bebê manualmente, guiado por ultrassom para posição cefálica. Há algumas contra indicações e complicações possíveis que devem ser conversadas com o obstetra.

  • Cicatriz uterina anterior: gestantes com cesarianas ou miomectomia prévia pode ter parto normal, há restrição do uso de algumas medicações (Propess, misoprostol ou ocitocina) e risco de rotura uterina de 1%. Neste caso, se necessário uma indução de trabalho de parto, pode ser feita por acupultura ou método de Krause. 

Consultórios
Consulta Online
Rio de Janeiro, Leblon
São Paulo, Higienópolis
Contato
(21) 99786-0221
Redes Sociais
  • Instagram
  • YouTube
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now